Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Patrinidade ou a odisseia de um tripai

Ser pai é a melhor experiência do mundo, imaginem ser pai de três, e logo de três rapazes! Este espaço vai ser dedicado às minhas peripécias como pai e à aventura mais alucinante que se pode imaginar...

Patrinidade ou a odisseia de um tripai

Ser pai é a melhor experiência do mundo, imaginem ser pai de três, e logo de três rapazes! Este espaço vai ser dedicado às minhas peripécias como pai e à aventura mais alucinante que se pode imaginar...

Come filho...

sopa toda.jpeg

A relação do Guilherme com a comida não é fácil. Quando era (muito) pequenino dava gosto vê-lo comer. Desde há muito que temos passado um calvário para fazê-lo comer. Só come carne e peixe triturados na sopa, e come a sopa "obrigado" (muitas vezes sem aspas).

Massa, arroz, batatas, tudo isso marcha com gosto, já a carne e o peixe nem prová-los...

A nossa pequena batalha tem tido nos últimos dias felizes avanços. Em parceria com a Educadora do Guilherme estamos a tentar, pelo menos, que coma sozinho. Talvez assim lá se habitue a comer e, quem sabe, desenvolva o gosto pela comida. Quem o vê comer a sopa percebe que o desgraçado faz um esforço titânico para comer sem deitar tudo fora, mas o que fazer?...

Todos os dias temos recebido estes simpáticos recadinhos ao fim do dia, este nem é o melhor de todos, já temos um em que ele comeu a sopa toda sozinho :)

Agora é só esperar calmamente pelo dia em que vamos receber o papelinho mágico a dizer, comi a carninha toda!!!!

 

Felizes e saudáveis

069.JPG

 Este verão correu nas redes sociais um artigo que dizia que as crianças que acampam têm um melhor desempenho escolar e são mais felizes e saudáveis.

Honestamente não estou muito preocupado com a fiabilidade científica do artigo. O que posso fazer é dar o meu testemunho e esse, confesso, é muito tendencioso, porque adoro acampar.

Este ano e pela primeira vez decidimos acampar em família, foi a estreia dos nossos meninos. Penso que dificilmente o balanço podia ser melhor. Cabeças partidas e arranhões fazem parte e não me parece que passar férias numa casa ou noutro local seja garantia de menos sustos.

O contacto permanente com a natureza é algo que não se explica, sente-se. O convívio no campismo também é algo que faz toda a diferença. Tínhamos a tenda sempre cheia de crianças e que bom que isso é. Tantos amigos para brincar, ajudantes para dar a sopinha, para tomar conta deles, para se divertirem em conjunto.

Não sei se os meus filhos são mais saudáveis ou felizes por acampar, mas que adoraram a experiência, disso não tenho dúvidas.